Saltar para o conteúdo

Acordos Fora Europa

O Técnico tem para te oferecer intercâmbios de estudantes em várias Universidades parceiras.

Duração

O Regulamento de Mobilidade estipula que um intercâmbio, no âmbito dos Acordos Bilaterais e SMILE, será de um semestre, havendo a possibilidade de extensão por mais um. Este prolongamento só pode ocorrer no mesmo ano letivo, com concordância das duas Escolas.
Também é possível fazer mobilidades em semestres diferentes (fazer mobilidade num semestre em SMILE noutro num âmbito de um acordo Bilateral ou ERASMUS)

Questões Frequentes

Onde encontro a lista de Universidades parceiras?

Inicia a tua sessão, escolhe Aplicações Centrais > Dot Técnico > Protocolos. Seleciona intercâmbio de estudantes para uma listagem geral ou país para uma listagem mais focada.

Como escolher as universidades?

Unidades Curriculares: uma consulta da página web da universidade e verificar as disciplinas compatíveis (através de análise de conteúdos programáticos).
Rankings de universidades: consulta nos motores de busca credenciados
Requisitos Linguísticos: confirmar na página web da universidade, pois algumas aulas poderão ser lecionadas na língua nativa ou em inglês. Pode ser exigido um certificado IELTS ou TOEFL.
Calendário académico: A universidade/escola de acolhimento onde pretendes estudar as aulas pode começar na época de exames no IST.
Custos associados à mobilidade (alojamento, alimentação, viagem e outros)

Há bolsas para apoiar intercâmbios?

Para a América do Sul há 15 bolsas Ibero-Americanas (programa SMILE) que são atribuídas pelo Banco Santander no valor de 2300€. As bolsas são concedidas aos melhores alunos de todos os cursos com base na média do aluno até à data da candidatura. Para que o aluno seja elegível, a universidade de destino deverá fazer parte da lista das universidades que participam neste programa.

As mobilidades Fora da Europa não têm bolsas de estudo como o programa ERASMUS. Assim , os alunos destes programas deverão concorrer a bolsas geridas pelas Universidades ou Países de Acolhimento. Consulta as respetivas páginas web.

Alunos em Programas de Mobilidade Fora da Europa não têm de definir um Plano de Estudos de 30 ECTS aos Coordenadores de Mobilidade, uma vez que esse requisito é apenas válido para alunos que se candidatam à bolsa de apoio do Programa ERASMUS.

Quem atribui as equivalências, validação do plano de equivalências e conversão das classificações?

O coordenador de mobilidade do teu curso.
Consulta a listagem de Coordenadores de Mobilidade aqui.

Como são obtidas as equivalências às UC?

Através do preenchimento de um documento para o efeito: Plano de Estudos Final.

Como é feita a conversão de Créditos em ECTS?

A conversão é baseada na carga horária de contato e carga horária de trabalho, originando um fator de conversão. A informação em como converter, fatores de conversão de acordo com a UA, está disponível para consulta aqui.

Como serão atribuídas as notas às UCs, visto que o número de cadeiras feitas em mobilidade difere do número de cadeiras no IST?

As equivalências podem ser feitas:
1 UC mobilidade = 1 UC Técnico ou
+1 UC mobilidade = 1 UC Técnico ou
+1 UC mobilidade = +1 UC Técnico
A nota obtida será a média dos valores obtidos na UA.

Se realizar a mobilidade no 1ºsemestre do 4ºano, posso obter equivalência a uma disciplina do 1ºsemestre do 5ºano?

Sim, se o teu coordenador de mobilidade autorizar e se a universidade onde foste colocado não adotou o Processo de Bolonha (ex.: Brasil, China, Japão, etc.).

Posso fazer tese em mobilidade?

Sim. É possível fazer tese em mobilidade, de acordo com o Artigo 13º do Regulamento dos Programas de Mobilidade [link]. Para o efeito será necessário teres dois orientadores: um na Universidade de Acolhimento, que te aceite e outro no Técnico.

Pretendo mudar de curso depois do Concurso de Mobilidade. Posso participar?

Sim. Todavia terás de entrar em contato com os Coordenadores de Mobilidade dos respetivos cursos e expor a tua situação, de modo a que haja uma boa transição entre cursos.

Fui aceite. Qual é a tramitação do processo após a minha aceitação pela Universidade de Acolhimento?

Antes de partir para a mobilidade o estudante deve:
Preparar Plano de Estudos inicial do IST, onde constam as UC a fazer em mobilidade e as UC equivalentes do IST. Este documento permite fazer a inscrição do aluno no IST durante o período de mobilidade;
Nomear um procurador com poderes para o representar em todos os assuntos relacionados com o programa de mobilidade em que participa.
Durante o período de mobilidade, só serão aceites alterações ao plano de estudos inicial mediante autorização expressa do Coordenador de Mobilidade, que dará conhecimento ao NMCI.

close navigation
close Search